quarta-feira, Julho 23, 2008

Está uma osga na minha sala, atrás da estante das enciclopédias...

... tem estado ali desde as quatro da manhã, e não mostra qualquer vontade em sair. O facto de eu ter decidido não dormir não está directamente relacionado com a presença da osga atrás da estante das enciclopédias. Creio que, dada a situação, a minha tranquilidade tem sido notável. O blogue da LER anuncia "com prazer" a contratação de Rodrigo Casanova (um astuto anagrama de «consagrar o vadio»). Não sei quem é o Rodrigo Casanova (um astuto anagrama de «socorro da vagina»), mas posso garantir que a minha mãe anda cada vez mais confusa com isto tudo. Tenho aqui dois exemplares cilindrados do Dica da Semana para o que der e vier. Nunca temi este tipo de confrontos. Há um «convida a osga» algures dentro das letras de Rodrigo Casanova, parece-me. Ia buscar um lápis para confirmar, se o lápis não estivesse tão perto da estante das enciclopédias. Não tenho só ficado aqui quietinho desde as quatro da manhã, a olhar para a estante das enciclopédias, que isto fique bem claro. Logisticamente impossibilitado de ir pesquisar osgas a uma enciclopédia, fui pequisar osgas ao google. O primeiro conselho que li foi "Join the Osga!". Muito menos surpreendente foi o facto de haver osgas no YouTube. O vídeo é comoventemente intitulado "Osga na casa-de-banho":

quinta-feira, Julho 17, 2008

Slightly improved

Espero que, durante a minha ausência, as pessoas tenham tido o bom senso de fazer imensos links para este post de 20 de Junho no b-site:

«I don't like Robben. He is just a slightly improved Folha.
Folha? Who's Folha?
A portuguese player, he was a left winger and almost never right.
«Folha» sounds weird.
It means «sheet».
Oh, I see your point: Robben is shit.
Yeah, just slightly improved.
»

segunda-feira, Julho 14, 2008

Mephisto



A imagem mais aterradora da semana apareceu sábado à noite, no fabuloso programa de Artur Albarran. Mostrava simplesmente uma mulher a escrever. Com um marcador de tinta fluorescente em cada mão, ela escrevia em simultâneo uma frase e o seu reflexo, num indefeso painel de vidro. «Não é difícil», explicou. «O mais complicado é decidir o que fazer com cada olho».
O neurocirurgião de serviço, Bandeira e Costa, debitou os subterfúgios da praxe. Falou de uma «invulgar disfunção cerebral» e de «ligações entre os dois hemisférios», sem nunca se atrever a enunciar a única verdade científica que o caso admite: a mulher é uma bruxa e deve ser lançada à fogueira o mais rapidamente possível.
Artur Albarran estava presente para providenciar o contexto histórico: «o espectador sabe que célebre figura tinha também esta capacidade?» Milhares de portugueses devem ter gritado o nome de Patrick Branwell Brontë. Alcoólico, desempregado crónico, e tristonho figurante na biografia das suas irmãs, Branwell tinha a transtornante habilidade de escrever duas cartas ao mesmo tempo (presumivelmente, uma para a Segurança Social e outra para a destilaria mais próxima). Albarran, contudo, tinha um ícone diferente no teleponto. «Isso mesmo: Leonardo Da Vinci!»
Pobre Leonardo; é retrospectivamente acusado de qualquer coisa de cinco em cinco minutos. Sabemos que, mais cedo ou mais tarde, qualquer observação mordaz será abtribuída a Oscar Wilde, qualquer insulto político a Winston Churchill e qualquer tecnologia moderna a Da Vinci, mas o seu currículo, até no que diz respeito a destreza manual e proezas atléticas, começa a estar ridiculamente inflacionado. Nunca li os famosos cadernos, mas pelo que pude aferir através de fontes secundárias, além de ter deixado esboços para o escafandro, a metralhadora, a bebida gaseificada, o leitor de mp3 e o metro de superfície do Porto, Leonardo terá sido também o primeiro ser humano a dançar o twist, a escalar o K2, e a preencher correctamente uma declaração de rendimentos. Nem a faculdade de escrever com as duas mãos ao mesmo tempo explica tamanha fecundidade.
Desconheço se Da Vinci também foi o precursor do autómato comunicativo que chegou aos nossos dias sob a designação de “Manuela Moura Guedes”. A primeira e mais natural reacção ao presenciar esta estonteante, ainda que rudimentar, manifestação de inteligência artificial é uma espécie de espanto religioso. Mas depressa o espanto dá lugar à desconfiança. Como aquelas populações boquiabertas que assistiram às triunfais exibições dos primeiros autómatos jogadores de xadrez, rapidamente nos perguntamos se não haverá um anão talentoso envolvido no processo. Na verdade, o últimos destes autómatos - o Mephisto - ao contrário dos seus ilustres predecessores (o Turco e o Ajeeb) era operado por controlo remoto, de uma sala diferente. Alguns dos melhores xadrezistas da época, como Isidor Gunsberg e Jean Taubenhaus, encarregaram-se de premir os botões certos. Não sei quem são os estagiários da TVI responsáveis pelo controlo remoto de “Manuela Moura Guedes”, mas creio que não estão minimamente à altura do legado de Gunsberg e Taubenhaus.
A entrevista ao futuro ex-treinador do Sport Lisboa e Benfica, no Jornal da Noite de sexta-feira, foi um exemplo invulgarmente confrangedor do que pode acontecer quando uma tecnologia a vapor colide com a era digital. O autómato esbracejou e balbuciou. Esperneou e suspirou. Microchips perdidos ziguezaguearam-lhe pelas córneas. O seu auricular berrava as instruções num volume tal que Quique Flores quase respondeu a duas perguntas antes de elas serem feitas. Mas o pobre andaluz foi um modelo de decoro. Começou por pedir desculpa aos telespectadores por não se exprimir fluentemente em português, algo que os operadores de “Manuela Moura Guedes” nunca tiveram a delicadeza de a pôr a fazer. A dada altura, o autómato tentou explicar a expressão “ferver em pouca água” com toda a eloquência de um curto-circuito. Quique ignorou-o com cavalheirismo e respondeu a perguntas que não chegaram a ser feitas. Só não confirmou se o Benfica 2008/09 vai jogar em 4-5-1 ou se, pelo contrário, vai ser a mais recente equipa nacional a aderir ao 4-4-2 em losango, táctica desenhada pela primeira vez em Florença no séc. XV, por uma das mãos de Leonardo Da Vinci.

sexta-feira, Julho 11, 2008

Excerto de um extraordinário ensaio de Edmund Wilson sobre Ronald Firbank, sacado em ficheiro .txt do tal depósito online ilegal

«By this time ‚ƒ„cˆŠ‹ŒŽ\˜™š›œžŸ ¡¤\¦N©ª«ハ®¯}²³Lµ·¸¹º»¼½¾¿ÀÁÂÃÄÅÆÇÈÉÊËÌÍÎÏÔÑÓþÿÿÿþÿÿÿþÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿÿo»

A minha transição para a meia idade vai progredindo a bom ritmo

Uma passagem que não me lembro de ter sublinhado, num livro cujo título agora me escapa, sugeriu-me uma eventual ligação indirecta com um acontecimento dos últimos dias que agora não recordo. Conversei sobre isto com não sei quem, que me disse suspeitar que teria dado um bom post, desde que não me esquecesse de mencionar qualquer coisa que me esqueci de mencionar.

quarta-feira, Julho 09, 2008

Apesar de não gostar particularmente de trufas...

... este blogue apoia efusivamente Bento dos Santos e deplora as recentes acusações de elitismo culinário de que ele foi alvo. As férias acabaram. Alguém invadiu o quintal na minha ausência. Desapareceram dezenas de laranjas pré-podres, o que agradeço. Também desapareceram as silvas e o lixo, o que agradeço. Deixaram a sachola, o ancinho e o balde, um gesto certamente admonitório. Prometo ter isto em melhor estado da próxima vez que vierem cá roubar laranjas. Não vi a final de Wimbledon. Apenas um mini-resumo, e as fotos nos jornais. Federer com cara de quem chegou de férias para encontrar um quintal sem laranjas. Andava há anos a tentar perder um jogo em Wimbledon, coitado. A selecção ainda não tem seleccionador. Mas o seleccionador tem um perfil. Nada me assusta mais no futebol do que o perfil. Nem mesmo o projecto. Sempre que o Sporting formula um projecto para contratar um jogador que encaixe num perfil, temos de passar o Verão seguinte à procura de colocação para o Milan Purovic. O perfil do novo seleccionador, segundo o projecto idealizado por Gilberto Madaíl, assenta no domínio do português, o que exclui automaticamente Hiddink, Pekerman e Humberto Coelho. Não há nada a fazer. Descobri há menos de vinte e quatro horas que todos os textos de Edmund Wilson incluídos nas recentes edições da Library of America (à venda na Amazon por uma quantia incomportável para o meu projecto) estão disponíveis online, gratuita e ilegalissimamente. Disponibilizarei o endereço a todos os interessados que tenham o perfil adequado.

Bovine TB Partnership Group

«Yesterday provided intriguing material for an examination of class in Britain today. The environment secretary, Hilary Benn, announced that after long thought he had decided not to permit the culling of badgers to stop the spread of TB among cattle. He said there was not enough evidence that it worked, and that a cull might make matters worse.
As always with the Department for Environment, Food and Rural Affairs, there was bags of new jargon to entertain us. Benn talked about the "testing and slaughter of reactors", and "randomised culling". Everyone seemed to know exactly what he meant.
And, as always in the Brown government, no matter how long a problem has been around it is never too late to set up a quango. This will be the Bovine TB Partnership Group, which sounds like an organisation lonely cows join to find new friends.
But the Commons divided almost entirely along party lines: Labour MPs were pro-badger; Tories were all for slaughtering the lot and turning them into shaving brushes.
»

(Da coluna de Simon Hoggart, que continua a produzir o espaço tipográfico mais cómico da imprensa europeia, apesar da feroz concorrência de Rui Miguel Tovar.)