segunda-feira, janeiro 21, 2008

Este livro está disponível na Fnac do Chiado (alguém deve ter cometido um erro) e vocês estão aí sentados a ler blogues


Charles Portis, para circunscrevermos as coisas, é o melhor escritor americano de que muitos de vocês nunca ouviram falar, situação que está prestes a ser corrigida. Aqueles para quem o nome é familiar devem provavelmente conhecer o segundo romance do senhor: um western atípico chamado True Grit, cuja publicação despoletou uma reacção em cadeia que viria a culminar na entrega de um Oscar™ a John Wayne, mas acho que não devemos culpar Portis por isso. Mais tarde (ele é da escola um-livro-de-nove-em-nove-anos) viriam The Dog of the South e Masters of Atlantis, duas das coisas mais cómicas que li nesta minha vida longa e repleta de excitação. Quase toda a bibliografia de Portis esteve inexplicavelmente esgotada durante a década de 90, até que uma pequena editora americana chamada Overlook reequilibrou o Cosmos, começando a lançar novas edições em 2000. A decisão foi, em parte, uma resposta ao apelo público de um dos mais vocais adeptos de Portis, o jornalista Ron Rosenbaum, que escreveu um texto sobre ele para a Esquire, através do qual eu próprio cheguei a Portis, e que, curiosamente, é a mesma pessoa que escreveu o texto linkado em simultâneo na Causa e no Dias Felizes, porque isto anda tudo ligado. Admitam lá: ficaram todos arrepiados, agora.

4 comentários:

LB disse...

Não percebi a parte final do post (e não fiquei arrepiado) mas vou certamente ler isso. Se não gostar, vou assombrar este blogue para sempre.

Anónimo disse...

Ainda não disseste que link é que desapareceu na lista dos "leitura diária".

R. Casanova disse...

Ainda bem que me faz essa pergunta. Não houve desaparecimento nenhum, houve uma reestruturação orgânica no sentido de optimizar o desempenho geral do blogue.

Anónimo disse...

Já agora, True Grit está traduzido em Portugal como A Velha Raposa,e está editado pela Europa-América.