sexta-feira, fevereiro 08, 2008

Derrick





Isto é absolutamente espectacular. Já não deve ser novidade para os que lêem o blogue do Sullivan, mas não resisti a espalhar a coisa.
Pensem bem no extraordinário azar do gajo do microfone: uma pessoa anda uma vida inteira a acumular desalento demográfico; a perder a fé numa adolescência que mal consegue assimilar o conceito de polissílabo; a construir pacientemente um paralisado clichézinho sobre o apoiante-padrão de um político que apela a uma espécie muito particular de idealista choné. Dá-se depois ao trabalho de ir a um comício para confirmar o caos; de nomear uma vítima escolhida a dedo - artefacto suspeito ao pescoço e tudo - para exemplificar o declínio da civilização; e no final deste processo desgastante sai-lhe essa ave rara: alguém mais informado e eloquente do que ele próprio. A gradual mudança de atitude do entrevistador - do armadilhante desprezo à admiração relutante, mas genuína - é uma coisa bonita de se ver, e ilumina melhor a essência do "movimento Obama" do que aquele embaraço dissonante que é o clip do "Yes We Can".
Se isto continua assim, ainda encomendo um pin.

(Continuo a gostar muito de McCain, e a ter impecáveis credenciais de cínico. Mas um homem não é de ferro.)

9 comentários:

Filipe Cadete disse...

O melhor momento é quando o repórter faz uma pergunta com o voz de quem tem a certeza que vai derrubar os argumentos do adversário e o rapaz responde "I'm so glad you asked that question!" e explica claramente as razões porque acha que, precisamente devido aos poderes específicos do presidente, Obama tem mais potencial do que Clinton.

Ana Cláudia Vicente disse...

Salva a honra do entrevistador aquele final em tom touché, de facto. O tiro não lhe podia ter saído mais pela culatra: Derrick N. Ashong, músico, investigador, empresário (intérprete de um papelito no "Amistad" e tudo, bolas); quais seriam as probabilidades?

Bruno Sena Martins disse...

Casanova endorses Obama.

impensado disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Mas para além da boa surpresa, há o aspecto mais humilhante, quando a gente começa a pensar que o 1º ministro e mais noventas e tais porcento da classe política daqui não possui um discurso tão fluído e articulado...

Anónimo disse...

possuiem, desculpem.

Rodrigo Silva disse...

ainda não consegui deixar de rir....

Ente lectual disse...

um bocado chato o jornalista

cj disse...

para quando uma entrevista destas na festa do avante?