segunda-feira, junho 02, 2008

Postiga

Na época de 2002/03 - que acompanhei à distância, através de uma complexa rede de informação que consistia em apreciações funcionalmente iletradas no Record online e em SMSs funcionalmente não-abstémios de amigos incompetentes - convenci-me de que o futuro do futebol português tinha um nome, e que esse nome era Hélder Postiga.
Numa altura em que Ronaldo e Quaresma eram submetidos à humilhação ritual por que têm de passar todos os extremos talentosos formados no Sporting (serem vaiados, num Domingo à noite, por oito mil e setecentos avatares dos velhos dos marretas) Hélder Postiga ia acumulando lances geniais a um ritmo positivamente alcochetense.
Esta perspectiva ignorante foi rapidamente corrigida. Ainda antes da desastrosa e esclarecedora transferência para o Tottenham (sancionada, com indisfarçável alívio, por José Mourinho) já Postiga começava a ser assolado pelo naipe de dúvidas existenciais que se colam, mais cedo ou mais tarde, a todos os avançados portugueses com as suas características físicas (pescoço frágil, maxilar inexistente) e técnicas (bom toque de bola, total ausência de velocidade ou potência): é um ponta-de-lança puro ou um segundo avançado? Joga melhor sozinho ou acompanhado? Numa linha ofensiva de dois ou de três? Com futebol directo ou apoiado? À chuva ou ao sol? De dia ou de noite? Fruta ou chocolate?
As perguntas acompanharam-no na meteórica passagem por Inglaterra, que foi puro vaudeville: uma calamitosa sucessão de choques frontais com postes, remates meticulosamente enrolados, e falhanços a trinta centímetros da baliza. O epíteto de "Postigoal", forjado pelos inacreditavelmente optimistas adeptos do Tottenham à sua chegada, acabaria por ser encurtado, no final da época, para um contundente "Posti_go!"
Adriaanse, com a presciência só ao alcance de um maluco holandês, tentou transformá-lo num número 10 - operação matemática que nem Georg Cantor seria capaz de executar. Foi preciso o pragmatismo de Jesualdo Ferreira para encontrar a melhor forma de o encaixar no sistema táctico do Porto: colocar o namorado da Marta Leite Castro na posição "nove", e colocar Postiga num voo da TAP para Atenas.
A reputação de Postiga assenta hoje em duas aparições ao serviço da Selecção. Um jogo circunstancialmente notável contra a (Eslovénia? Eslováquia? Não tenho tempo, ajudem-me), e um golo contra a Inglaterra no Euro 2004 resultante de um cabeceamento defeituoso, e que tem a particularidade histórica de ser o único golo em fases finais de Campeonatos da Europa marcado com o esternoclidomastóideo.
Não faço ideia se este intrigante conjunto de credenciais vale o quarto de milhão de euros de que o Sporting decidiu separar-se. Mas sei que Hélder Postiga vai acabar a época 2008/09 com precisamente cinco golos marcados: um desvio fortuito contra o Leixões; um hat-trick na Taça da Liga contra o Penafiel; e um golo decisivo ao minuto 90 contra o Porto (chapéu a Helton, depois de túneis a Bruno Alves e Fucile), sisudamente festejado com o dedo indicador colado aos lábios, em frente aos Super-Dragões.
Para o resto do ano teremos Yannick, Tiuí e as farmácias de serviço habituais.

10 comentários:

joão gaspar disse...

não sei se conta como a mesma aparição, mas depois do golo com o coisomastoideo marcou aquele penalty quase à panenka (panenka me perdoe).

RG disse...

Bem esgalhado.
SMS. Siglas não levam éssezinho.
;)

Francisco Clamote disse...

Não sei se "futebolisticamente" terá razão. Agora que tem aqui um texto a merecer alta nota, lá isso tem! A frase "Foi preciso o pragmatismo de Jesualdo Ferreira para encontrar a melhor forma de o encaixar no sistema táctico do Porto: colocar o namorado da Marta Leite Castro na posição "nove", e colocar Postiga num voo da TAP para Atenas", é digna de antologia.

Cumprimentos

Ógnito Inc. disse...

E o Pauleta? Não querem o Pauleta? Vá lá... Fiquem co0m o Pauleta.... ;)

Anónimo disse...

Pois gosto muito daquela parte do "maxilar inexistente", mas cá acho que é uma rica contratação para o meu - que é também teu - clube.

Anónimo disse...

Se de mulher te equipas...

dorean paxorales disse...

Durante o Euro 2004, houve um jornal inglês que se deu ao trabalho de manter uma crónica do género tonecas-vai-à-escola totalmente dedicada ao português e chamada: "O dia de Hélder Postiga". Todos os dias desancavam no "Misfit" com a mais bela e sobranceira sátira até que o homem (que se calhar até lia) se fartou e marcou aquele golo.

j... disse...

Boa prosa. Agora as ideias...

JN disse...

roger!
quando fechas este postigo?

M4Jor disse...

Abrama alas! Filipa Postiga, benvinda a Lisboa querida!