domingo, julho 22, 2007

It is understood that. This could be seen as. This could allude to.




«The Smurfs live in an egalitarian utopia. There is no system of monetary exchange or even barter in the Smurf village. The village can be seen as a planned economy, under the leadership of Papa Smurf. (...) The food in the Smurf Village was stored away in mushrooms the minute it was harvested and then equally distributed to all the Smurfs throughout the year. No one "farmer smurf" sold his crop to one smurf or another. It was understood that the crop was for the entire Smurf population, not for the sale or profit of one Smurf alone (...)
Gargamel could be seen as the physical stereotype for capitalism: a man, totally consumed by greed. Anti-Semitic stereotypes in Gargamel's appearance have been noted, i.e. a large hook nose and a bald pate, except for the dark bushy hair sprouting over his ears, along with the name of his cat, Azrael, which resembles the name of the Jewish state Israel. This could allude to Communism's demonization of rich Jewish antagonists in Russia and the Soviet Union (...)»

("The Smurfs and communism", Wikipedia)

2 comentários:

LB disse...

a grande utopia dos estrumfes é a ausência de estrumpfinas. Só havia uma que aparecia lá de vez em quando e semeava a confusão.

porque motivo o sexo é completamente eliminado de BDs como os estrunfes, tintin ou os tio patinhas do carl barks? Não me refiro a hentai ou manara, mas sim à ausência completa de parentescos directos... Ninguém é filho de ninguém. Nos Tio Patinhas isso é muito forte, são todos primos, tios, sobrinhos ou avós. Não existem pais e filhos, ou marido e mulher.

pedro farinha disse...

Bom, também não acho bem essa falta de rigor toda. Há excepções. O Lobão e o Lobinho, pai e filho e a Rosinha, filha do Rocha Vaz. Gente importante, apesar de tudo. Além do que, após aquele momento de terror gravado em todas as infâncias - a morte da mãe do bambi - parece-me muito sensato eliminar eventuais dúvidas incómodas sobre pessoas que faltam no agregado familiar.

Meus deixem lá as BD em paz, que até são o futebol da literatura. Poucas regras, imutáveis há mais de 100 anos e com milhões de pessoas a ver sem precisar de pensar muito naquilo.